segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Eu sou o tudo e o nada...

Por: José Ricardo da Silva

Não sou tão bom como você pode ver, mas também não sou tão ruim como você diz eu ser...
Me desculpe pelos meus atos, apertos e abraços.
Me perdoe pelo carinho que não te faz pensar em algo bom, alem das mentes em volta querendo te perturbar.
Não digo-lhe de maldade, mas você foi e é, o maior dos meus sonhos, desde o ultimo o primeiro, é o que jamais esquecerei.
Não me entenda por linhas tortas, talvez eu não seja tão bom escrevendo-lhe, como te amo de coração.
Não me julgue. Eu nunca te julguei! Temos os mesmos defeitos, só não cometemos aquele crime perfeito, como dizia naquela musica... (somos suspeitos de um crime perfeito, mas crimes perfeitos não deixam suspeitos.)
Não foi sonhando que eu comecei a flutuar, mas foi dormindo que comecei a me afogar, não tinha pra onde ir quando você apareceu, era uma ilha perdida no espaço, nada era tão precioso como aquele momento, nada nunca foi tão precioso como os poucos momentos em sua companhia.
Você pode me achar maluco, mas esse cara aqui sou eu! Esse cara aqui eu sou, eu fui... Eu vou!
Eu vou!
Pra você eu sou tudo e o nada, eu sou...
Eu sou o inicio, o fim e o meio!

Coloquei o vídeo porque gosto muito dessa musica, e usei algumas frases dela no final.



9 comentários:

  1. Adorei o texto. Profundo, tocante. Estou até sem palavras. Beijos

    ResponderExcluir
  2. MUITO BOM O TEXTO!
    ADOREI COMO VC USOU A INFLUENCIA DOS ENGENHEIROS DO HAWAII E DO RAUL SEIXAS ;D

    ResponderExcluir
  3. Raul é o cara!

    belo texto, um poema praticamente. Profundo e sentimental!

    Show de bola!

    Abss

    ResponderExcluir
  4. O texto com o vídeo do Raul e não precisamos falar mais nada.
    Valeu cara, bons estudos aí...
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Sem palavras, para esse texto profundamente intenso. E pra fechar com chave de ouro, Raul...

    Parabéns e abraços!

    ResponderExcluir
  6. Zé, no texto de Quando é Preciso Ser Forte encontramos passagens que nos fazem dar boas risadas e outras que nos arrancam lágrimas sentidas.
    Adorei o Teu texto e o final uma música q eu adoro do Raul!
    Abraços meu querido e uma Ótima semana!

    ResponderExcluir
  7. EITA!!! Pensei que fosse um poema para um ex-amor... rs.

    É que foi latente, profundo e platônico! =P

    Sobre "GITA" (um musicão do Raul) a gente pensa à primeira OUVIDA, que é sobre uma relação amorosa, entre um casal, etc... mas não... GITA é Deus num dialeto Hindu, então na verdade, a música toda é DEUS falando com o Homem!!!

    Repara só na letra!!!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Ah, parece um escritor extremamente apaixonado. rs
    Gostei muito do seu texo, querido. E sua citação dos "Engenheiros" é uma das músicas preferidas da banda.

    ResponderExcluir
  9. Vou postar aki a mesma coisa q postei no meu blog:

    Cara, só pra avisar q o livro não é de poemas, e sim de contos que interligam-se! :D

    Mas quem sabe um dia nao role um "divina sujeira" de poemas! hahahaha

    Abss zézolino!

    :D

    Valeuz!

    ResponderExcluir