domingo, 19 de junho de 2011

E quem vai entender?

Podia ser só amizade, paixão, carinho,
admiração, respeito, ternura, tesão.
Com tantos sentimentos arrumados
cuidadosamente na prateleira de cima,
tinha de ser justo amor, meu Deus?

Caio Fernando Abreu.



sábado, 11 de junho de 2011

Um novo modo de ver a vida


Por: José Ricardo da Silva

Conforme a vida passa você enxerga melhor a realidade, você se machuca com os tombos e vê que não são os números de velas que você assopra que o torna maduro o suficiente para encarar a vida de frente e sim, a experiência de cada tombo, de cada batalha... Você começa a entender que, por mais que você perca ou vença essa batalha a guerra nunca deve ser entregue de mão beijada.
Você aprende que por mais esperto que você seja o mundo jamais será seu por que o mundo é de todos e que, todos unidos jamais serão vencidos.
Você percebe que a desunião não faz sentido e que a força de quando estamos unidos nos da coragem para enfrentar um exercito inteiro sem precisar de armas. Você valoriza cada lagrima que escorre, seja por saudade ou por alegria.
Você aprende que o amor não é a coisa mais simples do mundo e que a simplicidade está em cada ato de amar e se conseguirmos ser simples de coração, seremos melhores no amor e na dor e descobriremos que, quando aprendermos a perdoar é que aprenderemos a pedir perdão. Você percebe que ter inimigos é fácil, mas ter amigos é mais fácil ainda, difícil mesmo é contar nos dedos em quais deles você pode confiar.
Então você passa a escutar sua mente e ver que de vez enquando a alma pede um pouco mais de calma, mas o tempo não para pro coração repousar e a vida continua, mesmo que muitas vezes de vontade de pedir para o mundo parar, você percebe que o mundo é enorme de mais para se descer, então, você irá levantar a cabeça e seguir em frente usando tudo o que você aprendeu em suas longas doces e amargas experiências e assim, encontrando em cada novo dia um novo modo de ver a vida.

"O tempo não pára!"

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Cansei

Por: José Ricardo da Silva

Cansei dessa vida, de ver o que não que não quero, de engolir sapos
Cansei de ser taxado, cansei do mundo que gira giera e não sai do lugar, mas que não posso descer
Cansei de dizer palavras que não significam nada pra ninguém, mas que pra mim parecem ter muito mais valor do que as que eu escuto
Cansei das pessoas dizendo o que é certo o que é errado, o que você deve e não deve fazer
Cansei de sentir aquilo que não quero sentir, sentir aquilo que não sentem por mim
Cansei de me preocupar com as pessoas
Cansei de ser legal e ser chamado de bonzinho ou bobinho
Cansei de ficar em silencio para não criar inimizade
Cansei de guardar pra mim grande parte dos meus problemas, raivas e descontar tudo em um saco de pancadas
Cansei dos meus defeitos que não tenho como mudá-los e das pessoas me apontando
Cansei dessa vida que não é pior que a de ninguém, mas que não me satisfaz que não me da prazer, que não me leva para lugar algum alem de escrever sobre inutilidades que ninguém irá ler, e provavelmente poucos iram perceber, o meu descontento com essa humanidade que não apresenta salvação e faz me perguntar; como é que eu vim parar aqui?

"Já não sou mais criança, sei o que sou e onde quero chegar, mas tem horas que da vontade de parar... mas se eu parar, como vou ter história pra poder contar?"